Quando se começa a pensar e pesquisar sobre o serviço de previdência privada, duas siglas aparecem constantemente: PGBL e VGBL. Entender o que significa cada uma delas, assim como suas características, vantagens e desvantagens é fundamental para investir no plano certo e ter o melhor retorno no seu futuro. Afinal de contas, se você quer garantir uma aposentadoria tranquila, precisa saber exatamente onde colocar seu dinheiro hoje, concorda?

Foi pensando nisso que resolvemos criar um guia para você que está começando a pensar nesse tipo de investimento. Aqui, explicaremos com detalhes o que é PGBL e VGBL, além de todos os detalhes para que você trace o seu perfil e chegue no mesmo plano.

Mas o que quer dizer PGBL e VGBL?

Se você nunca ouviu falar das duas siglas, PGBL significa Plano Gerador de Benefício Livre e VGBL, Vida Gerador de Benefício Livre. Ao observar a descrição de cada um dos termos, se você já pesquisou sobre previdência privada, dá para ter uma pequena noção já do caminho que levará os dois planos de investimento separadamente.

Os dois planos permitem que deixe seus recursos acumulados por um prazo preestabelecido em contrato. Sendo assim, periodicamente o valor que você investir é rentabilizado pela seguradora e no final o retorno é garantido. As características particulares de cada um estão, porém, na forma de tributação do plano.

banner-futuro

Principais características do PGBL

Basicamente, o PGBL é indicado para beneficiários que escolhem a declaração completa do imposto de renda, assim como para investidores da previdência oficial. O motivo é a possibilidade de abater até 12% da sua renda bruta tributável, na base de cálculo do Imposto de Renda. Com isso, você paga menos imposto durante o ano e pode investir esse valor em seu futuro.

Quando você investe em um PGBL, não significa que todos os aportes feitos no seu plano de previdência serão isentos de cobrança no imposto de renda. Haverá sim uma cobrança sobre o valor total do resgate do imposto ou da sua renda quando eles forem feitos. Isso significa que na hora de regatar o que você investiu na previdência privada, o imposto de renda será calculado sobre um cálculo do valor investido, somado à remuneração recebida.

Principais características do VGBL

Diferente do plano anterior, o VGBL não permite que você abata do imposto de renda os aportes feitos no plano. Com isso, esse tipo de contrato é mais indicado para aquelas pessoas que fazem a declaração simplificada, que são isentas do pagamento anual do imposto ou que já investem em um PGBL.

Se você se perguntou sobre o último item, esse questionamento é muito comum. Sim, uma pessoa pode ser investidora de PGBL e optar por investir também em VGBL. Isso acontece quando o cliente deseja investir mais de 12% de seus tributos em um plano de previdência privada – desde que o valor investido não ultrapasse os R$ 15.197,00 -. Nesse caso de optar por um VGBL, o seu imposto de renda incidirá apenas sobre os rendimentos adquiridos no plano e não sobre o total acumulado durante o serviço contratado.

Tipos de tributação

Há dois tipos de tributação do seu imposto de renda e elas implicam diretamente na hora de escolher entre um plano VGBL ou PGBL: a tributação progressiva e a tributação regressiva.

  • Progressiva: você receberá um valor menor de aposentadoria;
  • Regressiva: você receberá um valor maior de aposentadoria.

O motivo é o tempo de investimento. Para quem pode e quer esperar mais de 10 anos, terá uma alíquota mais baixa de dedução do imposto de renda e, por esse motivo, receberá mais de sua previdência privada.

É possível fazer a migração de um plano progressivo para o regressivo, mas não o caminho inverso, para aquelas seguradoras que ofertam planos abertos. Nas empresas de planos fechados essa mudança não é permitida porque você precisa determinar o plano até o final na hora da contratação.

Qual escolher afinal?

Conhecendo os dois tipos de planos para previdência privada, basta analisar cada um e ver qual deles se encaixa melhor nas suas condições financeiras e seus planos para o futuro. Embora eles sejam bem semelhantes, são justamente as diferenças que têm mais importância e são decisivas entre os dois.

Analisar o tempo de investimento, por exemplo, é muito importante. Como citamos no tópico anterior, quanto mais tempo você deixa seu dinheiro no plano, menores serão as alíquotas do imposto de renda sobre o total que será resgatado. Por outro lado, existem aquelas pessoas que não têm disponibilidade ou não querem esperar tanto tempo para desfrutar de suas economias. Nesse caso, vale analisar quanto você receberá e qual será o valor médio descontado pelo imposto. A sua seguradora com certeza irá se disponibilizar para realizar essa média.

Outra questão para entrar na análise é o crédito e reputação da sua seguradora. Conheça bem a instituição que você investirá o seu dinheiro para não correr o risco de a empresa falir ou ter outro tipo de problema que comprometa suas economias. Lembre-se que esse é um investimento à longo prazo.

***
Se você não sabe ainda se vale ou não investir em um plano de previdência privada, vale a pena conferir um post especial que fizemos sobre o assunto e conhecer as vantagens desse serviço. Se ficou alguma questão ainda em dúvida, entre em contato conosco! Você pode chamar um de nossos consultores no chat online do nosso web site, ou enviar um formulário de contato diretamente para um de nossos colaboradores! Estamos prontos para lhe atender!